sábado, 18 de março de 2017

E Enquanto o Ocidente Dorme, o "Ovo da Serpente" Prepara-se Para Eclodir...




Há poucos dias, num discurso que (mais uma vez...) foi prontamente censurado pela imprensa portuguesa, Marine Le Pen avisou que a França, graças à imigração em massa oriunda do Mundo Islâmico, está neste momento à beira da "guerra civil":

«PRESIDENTIAL hopeful Marine Le Pen, the leader of France’s anti-immigrant, nationalist Front National party, launched a savage attack on uncontrolled immigration saying it had pushed France to the verge of a “civil war”. 


The hardline candidate added that the country’s “virtually non-existent” immigration policies were to blame for the never-ending refugee crisis; and that illegals had been pouring into France undeterred for “decades”.


She said: “Our lax – or should I say non-existent – immigration policies are the root cause of the migrant crisis.
 
“Officials have turned a blind eye to illegal immigration for more than 40 years, and have let millions of paperless migrants into the country. The situation is spiralling out of control, and things can only get worse,” she said during a conference on civil rights in Paris. 

She said: “They speak their own language and follow their own rules and traditions. They have simply recreated their own locality-based communities abroad.”
 
The fiercely patriotic candidate added that “some” migrants were staunchly anti-French and were “at war” with their host country. 
 
She said: “At some point in the 2000s, migrants and their children – not all, but a large majority – declared war on France. 
 
“They have intimidated and threatened France via a series of anti-French and terrorist attacks. Civil war is no longer a dream, but a real possibility.”
 
The hard-right leader added that migrants had cost France “tens of billions of euros,” and France had paid the money in “exchange for peace”.
 
Mrs Le Pen did point out, however, that radical extremists – and not migrants – were “the enemy”.» - Daily Express

Nada disto de que a senhora Le Pen fala é novo e eu próprio já abordei várias vezes o facto de a França e grande parte da Europa Ocidental, estarem já num claro processo de balcanização, que a seu tempo desembocará inevitavelmente em guerra civil étnico-religiosa, muito semelhante ao que aconteceu na ex-Jugoslávia durante a década de 1990. Portugal é um País que escapa um pouco a esta tendência, pois não somos um País onde exista uma grande comunidade islâmica, no entanto, que ninguém duvide de que se a guerra estalar em França, a mesma acabará por se alastrar a grande parte da Europa Ocidental e não deixará Portugal indiferente. 
 
É preciso encerrar fronteiras com a máxima urgência e criar mecanismos de defesa territorial que garantam uma resposta adequada em caso de agressão vinda do exterior. A título de exemplo e só para que tenham uma vaga noção do quão mal preparado e equipado o nosso País está do ponto de vista militar, eu não tenho a mínima dúvida de que se neste momento desembarcassem mil combatentes islâmicos bem armados e treinados na costa do Algarve, esses mesmo combatentes poderiam estar em Beja numa questão de poucas horas e aposto que até conseguiram conquistar a Base Aérea de Beja com relativa facilidade, tal é a incapacidade e impreparação das Forças Armadas Portuguesas, que com a complacência das chefias militares colaboradoras do actual regime, foram reduzidas ao ridículo pelos traidores que têm estado no poder desde 1974.[1] E eu chamo-lhes traidores porque é essa a palavra que melhor define o lixo humano que parasitariamente tem desgovernado Portugal nos últimos 42 anos e destruído o futuro a sucessivas gerações de portugueses. Esta gente transformou o nosso País numa anedota falida e ridícula que é alvo de chacota por parte de praticamente toda a comunidade internacional. A somar-se a isto que já não é pouco e é muito grave, temos a população portuguesa praticamente toda desarmada e por isso mesmo incapaz de opor qualquer resistência minimamente credível, a um assalto lançado a partir do exterior do território nacional. Só espero que se e quando a tragédia nos bater à porta, depois não digam que não houvesse quem tenha alertado...

Mas voltemos a França, pois a França vai ser muito provavelmente onde a "bomba" irá rebentar primeiro. Em terras de Astérix e não é exagero dizer-se isto, a comunidade islâmica é tão grande, que qual quinta-coluna, se pode mesmo já falar de um autêntico exército estrangeiro que está implantado por entre a população francesa. Aquilo de que estamos aqui a falar é de milhões de alógenos, maioritariamente oriundos do Médio Oriente ou do Norte de África e com um ódio de morte à Civilização Ocidental, que tem sido largamente atiçado pela esquerda e pelos grupos "anti-racistas", que irresponsavelmente não só fecham os olhos ao problema, como ainda contribuem largamente para o seu agravamento. O "ovo da serpente" que a classe política traidora passou os últimos cinquenta anos a importar para dentro da Europa Ocidental, está prestes a eclodir e ameaça arrastar consigo toda a nossa Civilização para uma terrível guerra que, a iniciar-se, promete ser brutalmente sangrenta e não tardará a assumir contornos genocidas
 
Quando a actual "guerra civil fria" que se vive em países como a França e a Holanda, passar a uma "guerra civil quente", as partes em conflito e muito à semelhança do que aconteceu nos territórios da ex-Jugoslávia, tentarão não apenas derrotar-se umas às outras, mas muito provavelmente intentarão provocar também a deslocação de populações inteiras para outros territórios e no limite, poderão mesmo tentar exterminar fisicamente essa populações. A guerra étnico-religiosa é isto e é exactamente contra isto que os movimentos e partidos nacionalistas passaram as últimas décadas a advertir. A resposta dos "bem pensantes" aos nossos muitos e repetidos avisos foi chamarem-nos de "fascistas", "racistas" e "intolerantes" e fecharem os olhos perante uma realidade que se tem vindo a tornar cada vez mais evidente a cada década que passa. Quem conhece a história da Europa, sabe que as limpezas étnicas e o genocídio fazem parte da mesma e tais episódios repetem-se ciclicamente, quando se misturam os ingredientes culturais e sócio-económicos necessários para que tal aconteça. Por outras palavras: se não se querem queimar, não brinquem com o fogo...
 
As fronteiras e os estados-nação foram inventados precisamente para garantir a paz entre os diferentes povos. A esquerda e os lunáticos da direita liberal, pelo contrário, julgam que solução para os problemas da Humanidade se encontra na abolição das fronteiras e na destruição das nações, à margem de qualquer respeito pelas diferenças culturais e étnicas. Como é óbvio, no caso da Europa, isto é a receita perfeita para o desastre e a tragédia está já neste momento ao virar da esquina, mas pouca gente parece ter noção de tal. A Europa Ocidental continua "anestesiada"  e num sono profundo, ao passo que o "ovo da serpente" prepara-se para eclodir a qualquer momento entre nós...

Não sei se foi por ter ouvido Marine Le Pen afirmar anteriormente que a França está à beira da "guerra civil", mas o facto é que em mais uma demonstração do gravíssimo problema islâmico que a Europa tem pela frente, anteontem, o Ministro dos Negócios Estrangeiros da Turquia prometeu num discurso que "em breve irão iniciar-se guerras santas na Europa"

«Turkish minister has claimed "holy wars will soon begin" in Europe, in spite of the defeat of far-right leader Geert Wilders in the Netherlands elections.

Mevlut Cavusoglu, Turkey’s foreign minister, did not welcome the victory for Prime Minister Mark Rutte’s centre-right People’s Party for Freedom and Democracy (VVD).
 
“Now the election is over in the Netherlands...when you look at the many parties you see there is no difference between the social democrats and fascist Wilders,” he said according to a translation by Hurriyet.
 
“All have the same mentality. Where will you go? Where are you taking Europe? You have begun to collapse Europe. You are dragging Europe into the abyss. Holy wars will soon begin in Europe.”» - The Independent
 
 
Se isto não é uma ameaça directa por parte dos otomanos contra nós, então não sei o que será. A somar-se a isto e para compor ainda mais um pouco o "ramalhete" que já cheira bastante mal, o "sultão" Erdogan apelou ontem aos «turcos da diáspora na Europa para formarem famílias com pelo menos cinco filhos, considerando que seria "a melhor resposta" face "às injustiças" que enfrentam.» 

A estratégia islâmica para tomar o controlo da Europa é neste momento mais do que clara. Aproveitando-se do colapso da família tradicional na Europa como instituição social fundamental, graças em grande parte a todo o lixo ideológico que tem sido disseminado nas últimas décadas e à irresponsabilidade da parte dos líderes políticos da Europa Ocidental, os líderes do Mundo Islâmico - com Erdogan e a Família Real Saudita à cabeça - têm já perfeita noção de que possuem neste momento uma oportunidade única na história para conquistar e destruir a Civilização Ocidental a partir de dentro. Ao contrário da Idade Média, em que a expansão islâmica se fazia por via da conquista militar, agora, a mesma faz-se na Europa por via da imigração em massa e do ventre das mulheres. Não é ao acaso que Erdogan pede à diáspora turca na Europa para que faça o maior número de filhos possível. É que Erdogan sabe o que eu também sei, ou seja, que quanto maior for a diáspora turca e islâmica na Europa, maior poder a Turquia e o Mundo Islâmico poderão exercer entre nós e contra nós. Isto significa também que países onde a diáspora turca é muito numérica, como a Holanda e a Alemanha, poderão num futuro não muito distante ver-se a braços com autênticas revoluções islâmicas movidas a partir de dentro pela quinta-coluna islamo-turca. É possível até que zonas onde a concentração de muçulmanos é muito grande e problemática, as assim chamadas "no-go zones", tentem eventualmente declarar a independência e passem a querer ser uma espécie de taifas islâmicas do século XXI.

Há anos que os serviços de inteligência turcos se andam a preparar para o "Dia D" e é neste sentido que têm permitido propositadamente que sucessivas ondas humanas de "migrantes" oriundos do Mundo Islâmico, venham desembocar em território europeu. Isto conferiu a Erdogan um poder avassalador, pois basta-lhe agora dar a ordem e podemos em poucas horas ter não apenas reactivadas as rotas de migrantes que tentam penetrar pelos Balcãs, como podemos ter também uma autêntica vaga de atentados terroristas que com o apoio dos serviços secretos turcos, teriam capacidade para lançar o caos total na Europa e ser até o "detonador" para o início de uma guerra civil em países como a Alemanha, França e Holanda. Mas, no entanto, reparem num pormenor interessante que sobressalta no meio de tudo isto: segundo a alucinada classe política e os media ocidentais, os partidos nacionalistas que apenas querem evitar precisamente o pior, é que são rotulados de "perigosos" e de "extrema-direita" que é preciso combater. Nós é que somos a "ameaça" que tem de ser esmagada a todo o custo, por nos atrevermos apenas a apontar o óbvio ao povo e a chamar os traidores pelos nomes. 
 
Estamos cercados por chacais e a cada dia que passa, agrava-se a situação demográfica europeia, sendo que com isso, diminui igualmente a hipótese de conseguirmos vencer qualquer guerra que seja lançada contra nós. A Civilização Ocidental está podre, muito enfraquecida e foi minada aos longo das últimas cinco décadas por traidores. Bem dizia Marcus Tullius Cícero que «uma nação pode sobreviver aos seus loucos, mesmo aos ambiciosos. Mas não consegue sobreviver à traição vinda de dentro.» No meio de toda esta miséria, resta apenas saber se a Europa Ocidental se vai curvar perante o inimigo e sujeitar-se a ter o fim mais humilhante e indigno que se pode imaginar, ou se pelo contrário, ainda será possível montar uma defesa de última hora que pelo menos consiga salvar alguma coisa. Tenho motivos para crer que enquanto houver um Putin no Kremlin e um Trump na Casa Branca, sempre podemos ter alguma esperança...
 
________________________________________

Notas:
[1] Eu próprio visitei a base Aérea de Beja há cerca de dez anos atrás e devo dizer que aquilo por lá, em termos de equipamento, está basicamente reduzido a sucata velha do tempo da Guerra Fria, que já devia de estar em exposição num museu militar. A somar-se a isto, é preciso ter em conta que o abastecimento de munições é certamente insuficiente ou até mesmo inexistente, sendo que Portugal não produz hoje quaisquer munições de guerra, nem possui qualquer espécie de indústria militar. É notório o esforço que os militares portugueses fazem para esconder a humilhante miséria em que se encontram do ponto de vista do equipamento, cuja falta,  a meu ver, é a maior fraqueza das Forças Armadas Portugueses. Os políticos portugueses parece que se esquecem ou não querem saber de que "não se fazem omeletes sem ovos" e por isso mesmo, não se pode querer que as Forças Armadas cumpram a sua função sem equipamento. Entretanto, os cobardes chefes militares que o nosso País tem, como bons sonsinhos egoístas e interesseiros que são, isto para não lhes chamar chulos da Pátria que os pariu, estão bem caladinhos e fazem de conta que no pasa nada, pois sabe-lhes bem ir recebendo promoções e bons salários, nem que tal seja à custa do desmantelamento progressivo da própria instituição militar a que pertencem.

João José Horta Nobre
18 de Março de 2017


8 comentários:

  1. "Entretanto, os cobardes chefes militares que o nosso País tem, como bons sonsinhos egoístas e interesseiros que são, isto para não lhes chamar chulos da Pátria que os pariu, estão bem caladinhos e fazem de conta que no pasa nada, pois sabe-lhes bem ir recebendo promoções e bons salários, nem que tal seja à custa do desmantelamento progressivo da própria instituição militar a que pertencem. "---------------- Tenho de concordar(apesar de algumas excepções esta geração actual de oficiais militares pouco fica a dever à cobardia da geração anterior,além disso muitos deles sofrem do mesmo mal da população em geral que é o deixarem-se formatar por ideologias nefastas(marxistas e neomarxistas) e interesses particulares nefastos ao interesse do país(liberal-capitalismo e afins de caracter corrupto de centro-direita e centro-esquerda).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por isso foi extremamente importante o assalto que os comunas fizeram ao ministério da educação a qual começou em 26 de Abril de 1974 e agora está a ser incrementada através do actual ministro o professor virtual Mário Nogueira. Voltamos a 1975 e, a reformulação de programas que vai avançar depois das autárquicas e que mais não deve ser do que incrementar a lavagem ao cérebro dos futuros jovens, com vista à incrementação da agenda globalista ...
      Por isso é tão urgente mandar o Costa de férias permanentes, para ainda tentar salvar o possível ...
      É visível os estragos que esse assalto já provocou na sociedade portuguesa ...

      Eliminar
  2. Tem toda a razão aqui. Há quase 200 anos que os políticos querem destruir Portugal e 100 que a republica portuguesa substituiu o pais para o transformar no que diz. E a situação é pior do que você diz. É só viajar pela Europa para perceber que não existe ou apenas se sabe que é o país da mao de obra que está por todo o lado. Vejam as bandeiras em hotéis, restaurantes, etc. tem muitas vezes a Eslovaquia, Hungria, Romenia, mas falta sempre a da republica portuguesa. Porque já não representa nada.
    Politicos traidores? Isso fizeram já os que destruíram as instituiçoes e desarmaram os militares em preparação das invasões francesas. Estes animais de agora não só traíram como também venderam o povo português para servir de mao de obra para os europeus. Já receberam o dinheiro e já o gastaram.
    Portanto os islamistas nao precisam de entrar pelo país com armas, precisam só de pagar. Eles sabem bem disso. Temos 95% dos políticos advogados e totalmente disponíveis. Se lhes pagarem para envenenar a agua que bebemos eles fazem e depois fogem. É assim que são vistos os políticos portugueses pelos políticos do resto da Europa. A republica portuguesa não conta para nada porque qualquer um pode mandar nela. Veja o Scorcese que fez um filme sobra a nossa historia e antepassados, foi convidado para a apresentação do filme em Lisboa foi com presidente e toda a republica, o realizador preferiu ir a apresentação em paris com 2 ou 3 actores franceses.
    É isso nao somos nada nem merecemos o reconhecimento da nossa historia pois consideram que não merecemos. Têm perfeitamente razão.
    E você tem perfeitamente razão também, mas como vamos reinventar Portugal e combater os inimigos que estão dentro da praça?
    Lembra se daquela imagem extraordinária da bandeira hasteada ao avesso pelo presidente e primeiro ministro da republica? É muito claro em termos militares! São os nossos antepassados a dizer que o inimigo está na praça no meio de nós. É um pedido de socorro que nos é dirigido.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "mas como vamos reinventar Portugal e combater os inimigos que estão dentro da praça?"

      Caro Anónimo


      Através da implementação rápida de reformas estruturais.

      Eis a lista actualizada:

      Abolição do salário mínimo
      Liberalização dos despedimentos
      Abolição dos descontos
      Pagamento do verdadeiro custo da água e energia pelo utilizador
      Pagamento do verdadeiro custo de educação e saúde pelo utilizador
      Liberalização (facilitação, desregulamentação) do acesso às profissões liberais
      Liberalização das rendas
      Sujeição a IRC a todas as pessoas colectivas
      Simplificação do IRS com sujeição individual, taxa única, sem deduções e abatimentos
      Taxa única no Iva
      Desmantelar o sistema escolar com o e-learning
      Varrer a função pública
      Extinção das juntas de freguesia
      Redução do número de deputados
      ...
      ...
      ...

      Eliminar
  3. CHEGA DE DIALOGO A UE NÃO QUER OUVIR ROSENBERG TAMBEM TERÃO OUVIDO DE MERCADOR EM TROCA QUANDO ESTIVEREM NOS ULTIMOS A MORRER

    ResponderEliminar
  4. http://www.theoccidentalobserver.net/2017/03/the-fate-of-populism-in-europe/

    ResponderEliminar
  5. https://www.youtube.com/watch?v=otD52qwC9xw

    ResponderEliminar
  6. A Turquia está já em guerra demográfica contra a Europa:

    https://www.youtube.com/watch?v=zC8DBgtqIHU&t=381s

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...