quinta-feira, 31 de março de 2016

Do Genocídio em Curso


Recentemente, um holandês foi preso no seu próprio País por usar um chapéu em forma de porco. Alegadamente, o argumento oficial utilizado para o enjaular foi o de que o chapéu poderia "ofender" os muçulmanos. Isto, caro leitores, é o ponto a que chegou a situação na União Europeia. Esta é a tal Europa "livre e democrática" de que falam as elites nos seus discursos para enganar os tolinhos.



Diversity comes with challenges. But diversity is humanity’s destiny.


[...]




As palavras acima são de um tal Frans Timmermans que ninguém conhece, mas que mesmo assim ocupa o cargo de Vice-Presidente da Comissão Europeia. Se estas alarvidades não são uma autêntica declaração de guerra a todos os povos da Europa e um claro apelo ao genocídio dos mesmos, então não sei o que serão. Isto é o Plano Kalergi em acção, é o maquiavelismo lunático das elites da Anti-Europa em que vivemos, a anunciar já abertamente ao que vêm e qual o seu objectivo final.

Nós estamos a lidar com extremistas do multiculturalismo que têm de ser arrancados do poder o mais depressa possível, caso contrário, será o nosso fim. Esta gente está determinada em acabar connosco de uma vez por todas, é esse o seu sonho de vida e são pagos a peso de ouro (com o dinheiro que nos sacam em impostos) para nos exterminar. A actuais elites europeias têm de ser levadas a julgamento por tentativa de genocídio e os responsáveis que forem condenados, devem de ser enforcados ou encostados a um paredão de fuzilamento. Não pode haver qualquer piedade para com este tipo de gente.

João José Horta Nobre
31 de Março de 2016


A própria televisão israelita, há cinco anos atrás produziu este documentário sobre o "caldinho" que se está a cozinhar na Europa. Completamente cegos perante a realidade e politicamente míopes, gente como Frans Timmermans é incapaz de ver o óbvio e se não forem travados a tempo, vão transformar a Europa Ocidental num gigantesco Iraque:

A Típica Filha-da-Putice de Esquerda



A esquerda é e sempre foi isto: filha-da-putice sem limites, nem restrições. Quando são eles a insultar e a ameaçar, no passa nada, mas quando alguém lhes aplica o mesmo tratamento, aí já deixam de achar engraçado e partem para aquilo que a esquerda sempre foi boa a fazer: repressão e censura.

Viu-se o que a esquerda fez em todos os países do Mundo por onde tomou o poder. A "democracia" de que gostam tanto de falar e que fazem de conta que defendem, foi prontamente terminada e substituída por ditaduras de partido único que segundo os iluminados do esquerdalho, são quem "representa a verdadeira vontade do povo"

Em Portugal, a esquerda não goza de poder absoluto (tentaram obtê-lo no PREC e falharam), por isso não tem uma Stasi ao seu dispor, nem pode mandar fuzilar a eito. Portanto e em linha com a já clássica tradição filha-da-putista, o que a esquerda faz é utilizar os instrumentos legais do regime em vigor, nomeadamente os tribunais, para tentar intimidar a oposição e silenciá-la. O que o Bloco de Esquerda está a fazer a Pedro Arroja é um recado para toda a oposição: se falarem demais e disserem coisas de que não gostamos, podem ser judicialmente perseguidos.

Ora, como sempre foram e são bastante estúpidos (fumar charros a mais dá nisto...), os esquerdóides nem sequer se apercebem de que ao fazerem este tipo de coisas, estão a dar um valente tiro nos pés em termos de imagem pública. A esquerda sempre foi muito boa a fazer propaganda, mas percebe pouco de relações públicas.

O economista Pedro Arroja (com quem tenho bastantes discordâncias) está a ser perseguido pelo regime que eu já disse muitas vezes não passar de uma pseudo-democracia e que faz uso de um tipo de repressão que se tornou típico nas democracias liberais, ou seja, o politicamente correcto.

O politicamente correcto é obra da esquerda e foi criado para tornar inquestionáveis determinados dogmas propalados pela mesma. O Bloco de Esquerda (um partido neomarxista), faz uso deste mecanismo de controlo social a nível diário e possui vários "braços armados" que se encarregam de garantir a ditadura politicamente correcta, são eles o SOS Racismo (a organização mais racista de Portugal) e a Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género (a tal comissão "independente" e financiada por todos nós, que apresentou a queixa contra Pedro Arroja). 

Os portugueses que ponham os olhos nisto e pensem numa coisa: esta gente do esquerdalho radical ainda só teve um leve cheirinho de poder e já andam com estas atitudes de perseguição e intimidação da oposição, portanto, imaginem só como seria se os marmelos "esganiçados" e "esganiçadas" alguma vez apanhassem o poder absoluto na mão...

Quanto à Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género, eu só gostaria de saber porque raio é que me andam a roubar o dinheiro dos meus impostos para sustentar essa inutilidade? "Não há dinheiro e por isso temos de fazer sacrifícios", é este o discurso que ouvimos no dia a dia, mas depois já não lhes falta dinheiro para sustentar este tipo de merdas que são autênticos viveiros de parasitas da sociedade.

João José Horta Nobre
31 de Março de 2016


Fica aqui uma cantiga do grande Jaimão que dedico às "esganiçadas", ao Bloco de Esquerda, à Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género e ao SOS Racismo:

terça-feira, 29 de março de 2016

A Terceiro-Mundização de Portugal


Neste video podem ver como os bairros maioritariamente habitadas por alógenos, estão literalmente a "vibrar" de tanto "enriquecimento" multicultural. Alguns jovens até demonstram como dão um contributo positivo para a sociedade, fazendo bombas incendiárias para depois pôr fogo a carros. Mas calma, caros leitores, pois como diz uma "jovem" na reportagem, "isto não é delinquentes, simplesmente é uma revolta"! Ora pois, temos uma "revolta" alógena dentro da nossa Pátria, graças aos maravilhosos pedaços de esterco da classe política abrilina, que importaram estas criaturas exóticas a granel para o nosso seio. Nem imaginam como me sinto "enriquecido"!



Parece que o bairro sob ocupação alógena, chamado Cova da Moura, voltou esta semana a ser notícia pelos piores motivos. É nisto que dá importar alógenos em massa do Terceiro Mundo.

A culpa não é dos alógenos, como é óbvio, mas sim dos "inteligentes" que permitiram que os mesmos entrassem pelo nosso País adentro, sem qualquer tipo de controlo adequado e sem tomar as medidas necessárias, de forma a garantir que a estadia dos alógenos neste "jardim à beira-mar plantado", seria apenas temporária, regressando os mesmos às suas devidas Pátrias assim que cessassem os seus contratos de trabalho. Poderiam ter sido evitados muitos problemas sociais desta simples forma, mas como Portugal está desde 1974 a ser governado por retardados mentais, a incompetência, a demagogia barata e a irresponsabilidade pura e simples são a forma natural de se fazer política neste pobre País.

Agora aí têm o resultado bem à vista de todos. Por norma, qualquer zona habitada maioritariamente por grandes números de alógenos de origem africana, cigana ou islâmica (isto parece que até já se transformou numa verdade científica...), em pouco tempo vira paisagem terceiro-mundista e com direito a tudo aquilo que é inerente ao Terceiro Mundo: pobreza crónica, crime violento em doses desproporcionais, mutilação genital feminina, tráfico de droga, tráfico de armas e a criação de autênticas "no-go zones" como já parece ser o caso da Cova da Moura. Estou a exagerar? Então, se acham que estou a exagerar, digam-me porque é que o cadáver de uma das vítimas assassinada a tiro de caçadeira no último Domingo - na "vibrante" Cova da Moura - teve ser transportado para dentro de uma esquadra de polícia, de forma a que os próprios bombeiros não fossem atacados pela população maioritariamente alógena do bairro? Afinal estamos onde? Em Portugal ou no Burkina Faso?!?

João José Horta Nobre
29 de Março de 2016


Uma reportagem da CMTV sobre as zonas urbanas mais problemáticas de Lisboa:

segunda-feira, 28 de março de 2016

Um Bom Augúrio

Uma menina coloca oferendas numa fogueira, num rito pagão dedicado à celebração do Equinócio de Primavera na Bulgária. Trata-se de um bom augúrio.


A imagem acima, verdadeiramente adorável, é a prova viva de como o Paganismo na Europa nunca morreu, antes foi apenas esquecido temporariamente e disfarçado com ritos semitas que tiveram de o absorver para se conseguir impor.

Primeiro vieram os cristãos e disseram que Cristo era o salvador, cheios de fé e armados com as suas leis israelitas, tentaram de tudo e mais alguma coisa para varrer o Paganismo da face da Europa. Não conseguiram. Depois - a partir do final do século XIV - vieram os otomanos com o credo de Mafoma, parido directamente nas dunas da Arábia. Crentes da sua superioridade sobre o infiel, tentaram também eles exterminar todos os resquícios de Paganismo por onde quer que tenham passado. Não conseguiram. Por fim, foi a vez dos soviéticos com seu Ateísmo militante. Estes queriam transformar o homem numa mera peça descartável, de uma máquina gigantesca chamada Estado. Arrogantes, materialistas e em hiperdelírio utópico, acabaram por cair de podres. Também os soviéticos, apesar dos seus milhares de ogivas nucleares, tanques e peças de artilharia pesada, não conseguiram erradicar a tradição espiritual pagã.

A criança búlgara que na fotografia acima coloca a oferenda na fogueira, não faz a mínima ideia dos milhares de anos de tradição acumulada que estão por detrás daquele gesto simbólico. Judeus, cristãos, maometanos e ateus. Todos eles, cada um à sua maneira, tentaram destruir as antigas religiões nacionais da Europa. Não conseguiram, não conseguem e nunca o vão conseguir. Querer eliminar a tradição pagã do espírito europeu e esperar que este continue a ser europeu, é o mesmo que tentar retirar o sangue de um corpo e apesar disso, esperar que ele continue vivo. O Paganismo sempre foi a religião original da Europa, a génesis mitológica de todas as nações europeias e o único garante da sua continuidade física e espiritual. Contrariar este simples facto, é o mesmo que contrariar a própria natureza e como todos sabem, a natureza nunca gostou de ser contrariada...

João José Horta Nobre
28 de Março de 2016

sábado, 26 de março de 2016

A Minha Devida Vénia ao Professor Manuel Filipe Canaveira


Uma entrevista memorável por parte do professor Manuel Filipe Canaveira. Está aqui o essencial do que tem de ser dito: "Se não forem os governos a tomarem uma posição, será a população a fazê-lo".


São raros, muito raros os momentos em que alguém consegue furar a censura merdi@tica e dizer a verdade sobre o que se está a passar. No entanto, raridade não significa impossibilidade e por isso mesmo há poucos dias atrás o professor Manuel Filipe Canaveira, disse na televisão aquilo que eu próprio e mais alguns cidadãos (somos poucos, mas persistentes...) andamos a dizer e a escrever há anos a fio.

O melhor mesmo é simplesmente assistirem ao video acima e ouvirem  o professor Manuel Filipe Canaveira nas suas próprias palavras. No entanto, apesar de corajoso, o que o professor disse esta semana na RTP está longe de ser uma novidade, eu próprio disse-o há pouco mais de um ano neste artigo a propósito dos ataques ao Charlie Hebdo. O já ancião Jean-Marie Le Pen, esse então, anda a alertar sobre isto vai para uns trinta anos, no mínimo, alguém prestou atenção? Qual quê! O "homem é racista, pá!" O resultado foi o que toda a gente na dita "extrema-direita" já sabia e esperava: foi preciso começar a rebentar bombas nas nossas ruas e haver gente inocente a morrer, para que os europeus começassem a abrir os olhos em relação ao perigo da situação. 

Os actuais regimes que (des)governam a Europa, estão a ir direitos a um precipício que irá indubitavelmente ser fatal para os mesmos. Trata-se de uma questão de tempo até o verniz na Europa estalar de vez e assistirmos a coisas que já não se vêem por cá desde 1945. Os Europeus já demonstraram ser historicamente absolutamente implacáveis e capazes de levarem a cabo sevícias inimagináveis contra uma dada população, quando se sentem ameaçados por essa mesma população. Foi assim com os mouros na Reconquista, foi assim com os judeus e será novamente assim com os mouros dentro de poucas décadas se tudo continuar como está.

Se as pseudo-democracias que hoje (des)governam a Europa não resolverem rapidamente a "questão islâmica", serão os próprios povos da Europa que tomarão o assunto em mãos, entregando o poder à dita "extrema-direita" que tratará de resolver o assunto de uma vez por todas, a bem ou a mal, mas podem ter a certeza que a "questão islâmica" será definitivamente resolvida e os responsáveis políticos por isto ter chegado onde chegou, serão devidamente julgados e punidos. Podem ter a certeza que sim.

João José Horta Nobre
26 de Março de 2016

 
O Prof. Manuel Canaveira fala acerca dos atentados de Bruxelas (22-Mar-2016) e desmistifica o discurso politicamente correcto que desculpabiliza e relativiza o islamismo.

sexta-feira, 25 de março de 2016

A "Justiça" dos Vencedores II


Vinte e dois anos de prisão por ter defendido o seu País numa situação de guerra. É assim que a Rússia de Putin interpreta e goza literalmente com o direito internacional. Aparentemente, o Kremlin parece estar determinado em transformar a Primeiro Tenente, Nadiya Savchenko, na Joana d'Arc ucraniana.


A Rússia, ou melhor, Vladimir Putin, decidiu condenar esta semana a piloto do Exército Ucraniano, Nadiya Savchenko, a uma pesada sentença de vinte e dois anos de prisão. Qual o crime? Alegadamente e segundo a acusação russa, a Primeiro Tenente Nadiya Savchenko terá atraído dois jornalistas russos para uma emboscada fatal e entrado ilegalmente em território russo (como se não tivessem sido os russos a entrar primeiro e ilegalmente no território ucraniano, indo ao ponto de anexar partes do mesmo e provocando inúmeras baixas civis no processo...). Um sistema judicial como o russo, em que ainda recentemente um cidadão foi levado a tribunal, apenas por negar a existência de Deus num fórum da internet, não possui credibilidade absolutamente nenhuma. Quando um País processa judicialmente cidadãos apenas por dizerem que "Deus não existe", acabou-se, esse País não é livre. No entanto, este é o mesmo circo/sistema judicial que julga ter credibilidade para condenar Nadiya Savchenko e que entretanto pretende que o Mundo acredite na farsa.

O que a Rússia tem feito na Ucrânia é tão ridículo (e desnecessário...), que só revela pura estupidez da parte de Putin. A Rússia e os russos não precisavam disto, a Europa não precisa disto. Fosse a Rússia um País pequeno e humilhado, eu até compreendia este chauvinismo agressivo, mas não é esse o caso. A Rússia é o maior País do Mundo e possui um arsenal nuclear devastador com capacidade para exterminar a vida no planeta Terra, se fosse todo disparado em simultâneo. A Ucrânia, pelo contrário, é um dos países mais pobres da Europa e não possui um único engenho nuclear, para além do facto de ter umas Forças Armadas largamente obsoletas e que num espírito de "desenrascanço", vão fazendo o que podem para conter a agressão militar russa. Alguém pode mesmo acreditar seriamente que os russos, precisam de fazer este espectáculo humilhante contra a pobre Ucrânia para se afirmarem? Eu de certeza que não acredito.

João José Horta Nobre
25 de Março de 2016



Ao despautério do tribunal-fantoche de Putin, Nadiya Savchenko respondeu no passado dia 9 de Março com o gesto adequado:

O Multiculturalismo Funciona II

Com três pequenos exemplos, vou provar a todos que tal como uma sanita entupida a regurgitar merda, o multiculturalismo funciona:

- Exemplo Nº1

Neste video a moirama demonstra como está bem integrada e disposta a dar o seu melhor pela sociedade britânica.


Então, mas onde é que já se viu uma cidadã britânica exigir que os alógenos respeitem o seu País e a sua cultura. Isso era só o que faltava! O autóctone é que tem de obedecer ao alógeno e deixar que este lhe imponha as suas leis avançadas da Arábia. Se o autóctone fizer isto, em linha com os grandiosos mandamentos do Vaticano e sua santidade o Papa Xico, o multiculturalismo vai com certeza funcionar e vamos ser todos felizes para sempre, sempre, sempre!


- Exemplo Nº2

Neste video a moirama demonstra como respeita as alemãs na Alemanha e mais uma vez fica demonstrada a infalibilidade da doutrina multicultural.


Então mas onde é que já se viu uma moça alemã estar no seu País e exigir respeito? Isso era só o que faltava! O alógeno mouro tem todo o direito a chamar puta a qualquer rapariga alemã na rua e a comentar a sua abertura do cu. O multiculturalismo é isto, a felicidade é isto, a harmonia e a fraternidade xuxalista entre povos é isto. Viva Merkel! Viva Catarina Martins! Viva a xuxa Ana Gomes!


- Exemplo Nº3

A moirama demonstra como até já criou forças de segurança próprias em terras de sua majestade, de forma a reduzir os custos em policiamento para os contribuintes britânicos. A moirama sempre a pensar no bem comum, assim é que é, pá!


Então mas onde é que já se viu um alógeno vir para a Europa e ter de obedecer às leias da Europa? Isso era só o que faltava! O alógeno deve é ver garantido o seu direito a formar milícias islâmicas e a patrulhar os bairros por si habitados, onde terá o direito a impor a Lei da Sharia a qualquer autóctone que se atreva a beber uma cerveja num bairro sob ocupação moura. Assim é que deve ser e assim é que é bom. Multiculturalismo pá frentex que eu não vivo para sempre, pá! 

Percebem, pá!

Mais uma vez fica demonstrado que, tal como uma sanita entupida a regurgitar merda, o multiculturalismo funciona. Isto é uma verdade científica inquestionável que conta com a aprovação de Xico Louçã, a Igreja Universal do Reino de Deus e três régulos africanos. Entretanto aguardo a aprovação do Professor Karamba e do Professor Bambo, que se espera ser para breve.

João José Horta Nobre
25 de Março de 2016

quinta-feira, 24 de março de 2016

A "Justiça" dos Vencedores



"Karadzic condenado a 40 anos de cadeia por genocídio e crimes contra a humanidade"


É assim a "justiça" dos vencedores. Fico agora a aguardar pelas sentenças de prisão contra os líderes políticos que em 2003 e à margem do direito internacional, invadiram o Iraque. Ficarei a aguardar pela sentença contra Obama por ter reduzido a Líbia (um País que sob a liderança do "irmão-líder" Muammar Gaddafi, passou a ser "apenas" o que possuía o maior índice de desenvolvimento humano em África...) a um Estado falhado e fornecido armas aos ditos "rebeldes" que transformaram a Síria num monte de entulho. Fico ainda a aguardar que o Tribunal Penal Internacional emita mandados de captura contra os líderes chineses que continuam a ocupar ilegalmente o Tibete anexado desde 1951 e de seguida sujeito a uma autêntica limpeza étnica contra a população etnicamente tibetana.   

Já agora, continuo também a aguardar que os responsáveis ainda vivos pela "descolonização exemplar", sejam indiciados pela limpeza étnica que cometeram contra os portugueses brancos em África e que também eles sejam devidamente julgados e condenados. Mas lá está, a "justiça" é algo a que apenas têm direito os vencedores e quem está do lado politicamente correcto da história, por isso, julgo que é melhor eu esperar sentado...
 
João José Horta Nobre
24 de Março de 2016

 

Podem ver aqui a hipocrisia dos juízes-fantoches do Tribunal Penal Internacional:
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...