terça-feira, 17 de maio de 2016

Aeroporto General Coca-Cola

Esqueceram-se de levar esta imagem para a cerimónia de rebaptismo do Aeroporto de Lisboa.


"Quem tem culpa de no Canadá se queimar o trigo como carvão para... o aproveitar? — Salazar. O culpado do desemprêgo na Inglaterra e na Alemanha — o Salazar. Dos estoiros dos bancos da livre América? E assim por diante? Sempre o Dr. Oliveira Salazar... ”Vão às colheitas os pardais? ”De quem a culpa senão dos Cabrais?“...

   [...]

   O mais contra Salazar não tem resposta. Só a tiro, como já disse." - Humberto Delgado in Da Pulhice do «Homo Sapiens»
Lisboa, Casa Ventura Abrantes, 1933, pp. 222, 250.

Numa cerimónia ocorrida no passado domingo e onde não podia faltar o Presidente Marcelinho, ao lado do Premier Costa, mudou-se oficialmente o nome do Aeroporto de Lisboa, para Aeroporto Humberto Delgado. Infelizmente, mas não surpreendentemente, parece que ninguém na tal cerimónia se lembrou de citar algumas coisas interessantes, escritas pelo antigo General da Força Aérea, a quem o PCP "carinhosamente" apelidava de General Coca-Cola. O actual regime gosta pouco de história e isso fica patente na forma como continuamente destrata e/ou distorce a mesma, para seu próprio proveito político.

Fazendo de conta que o Presidente Marcelinho  e o Premier Costa, tiveram apenas um episódio de amnésia, vou aproveitar para recordar a todos, algumas coisas que Humberto Delgado escreveu e que hoje os rapazes da Terceira República, por motivos mais do que óbvios, não gostam de recordar. 

Sobre a Primeira República, Humberto Delgado referia-se à mesma como tendo sido o "infame período da república com a vergonha de S. Bento aberta". Os políticos da mesma foram por si descritos como sendo "canalhas", "chacais", "malandros", "tubarões", "judas mentirosos", "velhos idiotas", "sabujos" ou "cobardes". Sobre o Parlamento, Humberto Delgado referia-se a este como sendo "a taberna de S. Bento",  "a papagailândia" e "uma série de garotos dizendo piadas de sol uns aos outros". Os parlamentares na óptica de Humberto Delgado não falavam, mas antes emitiam "cuspo, vómito ou baba".

Qual a solução proposta por Humberto Delgado para resolver esta balbúrdia republicana? A ditadura! Isso mesmo, o General Coca-Cola, esse grande "democrata" que agora é arvorado a grande herói do actual regime, proponha ele próprio para o nosso País, "uma ditadura que o regenerasse". Mais frontal e directo do que isto, é impossível.


Esta é mais outra imagem de que se esqueceram. Nela pode ver-se o "democrata" Humberto Delgado a assistir a uma  parada rodeado por aquilo que parecem ser camisas negras, a milícia paramilitar que servia de guarda pretoriana ao regime fascista italiano


A ditadura como é certo e sabido, acabou por chegar em 1926 e sobre esta Humberto Delgado nem hesitou em classificá-la como sendo uma "obra que só quem não quer não vê”, disponibilizando-se simultaneamente para combater "os chacais do reviralho", que querem acabar com a ditadura e regressar ao modelo político da Primeira República. A justificação para todo este exaltado apoio à ditadura da parte de Humberto Delgado é feita com base em dois pontos: "primeiro porque a obra da ditadura é, comparada com a dos políticos, gigantesca; e segundo porque, não sendo a perfeição cá da terra, e apesar de haver muito pulha e imbecil ao lado da situação, eu toda a vida preferi o mau ao péssimo".

Sobre o professor Salazar, Humberto Delgado nem hesita em tecer-lhe os maiores elogios e referir que a sua obra "se sente nas mais pequenas cousas, e que pena foi tivesse a crise mundial a contrariá-la, para que merecesse a pena ter-se implantado a Ditadura."

Regressar à "democracia"? Para Humberto Delgado nem pensar! Segundo o General Coca-Cola, os democratas apenas querem a Liberdade porque têm desejo "de matar, de insultar, de chicanar cada um, e a maioria dos republicanos reviralhistas não podem viver sem o insulto boçal, a revolução por trimestre, a chacina género dezenovoutubrista."

Como silenciar os opositores à ditadura? Humberto Delgado fornece a receita e recomenda que estes sejam prontamente "agredidos a tiro". A sorte dos reviralhistas, comunistas e restantes "democratas", foi que o professor Salazar não seguiu este magnífico e mui sapiente conselho do General Coca-Cola, caso contrário, muitos patetas não teriam sequer sobrevivido para andarem hoje por aí a contar as suas aventuras da oposição ao "pavoroso faxismo" e as manas Mortágua do Bloco de Esquerda (as filhas do "Batata"), possivelmente nem sequer teriam nascido...

Aqui têm o grande "democrata" em honra do qual se baptizou agora o Aeroporto de Lisboa. Mas há mais. Aliás, o melhor ainda está para vir. Humberto Delgado confessou ele próprio ser um admirador de Mussolini e criticava o regime de Salazar por este na sua opinião não ser suficientemente fascista. A solução para Portugal, de acordo com Humberto Delgado, passava por imitar tanto quanto possível o Fascismo Italiano, "endurecer a Legião Portuguesa", que possivelmente ele considerava que pudesse vir a ter um papel equivalente ao dos camisas negras na Itália de Mussolini e endurecer igualmente e "sobretudo a Mocidade". Segundo o testemunho de Jesus Suevos, o General Coca-Cola foi mesmo "o fascista mais avançado que conheceu em Portugal".

Em 1941, Humberto Delgado assumiu publicamente o seu apoio às agressões da Alemanha Nazi e sobre Hitler afirmou que: "O ex-cabo, ex-pintor, o homem que não nasceu em leito de renda amolecedor, passará à História como uma revelação genial das possibilidades humanas no campo político, diplomático, social, civil e militar, quando à vontade de um ideal se junta a audácia, a valentia, a virilidade numa palavra."

Pelo disposto acima só faltou mesmo um portentoso "Heil Hitler!", de forma a melhor completar a coisa. É sem dúvida magnífico este grande herói que os "democratas" da Terceira República escolheram para ser um dos símbolos maiores do regime. O grande paradoxo disto tudo, é que os mesmos "democratas" que hoje acusam o professor Salazar de ser um simpatizante do Nazismo, por ter decretado três dias de luto oficial aquando da morte de Hitler, são os mesmos "democratas" que decidiram transladar os restos mortais do General que apoiou Hitler para o Panteão Nacional. 

Isto tudo dá que pensar e muito, não só sobre a total falta de coerência da parte de Humberto Delgado, que nunca passou de um oportunista  que trocava de ideologia, como quem troca de roupa (quando o Fascismo esteve na moda, foi fascista, quando a "democracia" liberal passou a ser a nova moda, foi "democrata" e se o Maoísmo fosse a moda seguinte, ainda o veríamos a dizer "Longa vida ao camarada Mao Tsé-Tung!"...). Mas também sobre a verdadeira falta de escrúpulos do actual Primeiro-Ministro e Presidente da República, que nem sequer têm o cuidado de escolher "heróis da democracia" com um passado coerente. No fundo, a sorte desta gente é mesmo e só a de que o ridículo não mata.

João José Horta Nobre
17 de Maio de 2016

18 comentários:

  1. O nosso general aos olhos de um clínico mediano encaixaria numa doença bipolar, com acessos de delírio paranóide. Ainda bem que não chegou a presidente dos portugueses. Foi num acesso desse delírio que embarcou na armadilha da P.I.D.E.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi a PIDE? Então porque o Supremo Tribunal Militar não condenou Rosa Casaco? Que interesse tinha o regime em eliminar quem estava politicamente morto (e tinha um cancro hepático) e não tinha sido destituído do seu posto, expulso da FAérea? Porque é que Henrique Cerqueira no livro "Acuso", aponta para outros a autoria do assassinato? Veja quem está na capa!

      Eliminar
  2. Sr Francisco Teixeira: -De facto não estive lá para testemunhar a morte do general, mas se por acaso o senhor lá esteve e presenciou dê-nos o seu testemunho, o que de antemão agradeço, ou então conte lá a versão que reputa como verdadeira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que eu vos posso dizer sobre isso, é que conheço um retornado (ainda vivo), que conheceu o Casimiro Monteiro em Moçambique e que jura a pés juntos que era costume ele andar pelos cafés de Lourenço Marques a gabar-se de que tinha sido ele a matar o Humberto Delgado.

      Eliminar
  3. Já não e´a primeira vez que leio que este santo (como todos) tem pés de barro, mas... será pedir muito que nos diga de onde recolheu cada uma das citações com que ilustrou o texto? Ajuda a quem queira colaborar na desmistificação

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É só clicar em cima das mesmas e é redirecionado automaticamente para a fonte original.

      Leia a obra "Da Pulhice do «Homo Sapiens»" de Humberto Delgado, está lá tudo.

      Eliminar
  4. o Texto é a rasgar. Nem toda a história é escrita pelos "vencedores"

    ResponderEliminar
  5. Sim, tudo aponta para Casimiro Monteiro. Mas, isso não significa que a DGS estava envolvida. É mais complexo.
    Ler:
    https://sites.google.com/site/lancapatricia/home

    Os "democratas" varrem muita coisa para debaixo do tapete.
    Nos nossos dias é praticamente impossível o cidadão comum perceber a realidade política e conhecer a história dos últimos 50 anos.
    A desinformação é imensa. A imprensa sofre toda de esquerdopatia.
    Pena que o que é referido no post não chegue à tv pela boca de ninguém. Seria importante para quebrar o Matrix.

    ResponderEliminar
  6. Têm aqui mais leitura,
    http://oisento.blogspot.pt/2006/02/entrevista-2-histria-de-delgado.html

    Aproveitem porque a democracia gosta muito de apagar. E já apagaram muita coisa esclarecedora.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta também é muito interessante:

      http://oliveirasalazar.org/download/documentos/HUMBERTO%20DELGADO%20O%20MAIOR%20FASCISTA%20DE%20PORTUGAL___4CE14F25-E89E-4594-A8F9-03EC3F03E8D4.pdf

      Eliminar
  7. > HD tem servido como arma d'arremesso, quer de pêcês quer de maçons, contra o regime do Estado Novo, que serviu, com amplos proveitos (de pecúnia e de prestígio)...

    HD, pouco após lhe haver sido negada (no final de 1957), a pretensão de vir a ser governador-geral de Angola, por despeito passou a fazer birra contra a governação chefiada por AOS.
    Toda a gente sabe disso!

    HD é co-autor moral do assassinato de um piloto de navio mercante português, porquanto foi dele o plano, combinado no Brasil, para assalto em alto-mar e à mão armada, do 'Santa Maria'.

    HD é co-autor de pirataria área, exercida sobre aeronave civil de passageiros, de bandeira portuguesa, porquanto os executantes seguiram o plano por ele traçado no Brasil.

    HD é co-autor, também, da tentativa de assalto a uma instalação do Exército Português (RI3-Beja), da qual resultou, entre outros danos, a morte de um militar então membro do Governo português.

    Finalmente, HD foi vítima da sua própria ambição e vaidade.

    ... quem despachou o fulano para o quinto dos infernos, foi um indivíduo ao serviço da PIDE, com uma pancada exercida pela manivela de arranque de um veículo Opel, na cabeça de HD, imediatamente após HD ter alvejado mortalmente,

    pelas costas, um agente da brigada da PIDE que em 13Fev65 estava presente em território do termo português de Olivença.

    E muito mais poderia acrescentar, mas não irei entregar mais ouro a bandidos...

    ResponderEliminar
  8. Este senhor general é um simples e mero militar como tantos outros que temos hoje em dia por ai, só que ele já morreu e os outros ainda estão por cá, pessoas muito importantes mas depois da roupa lavada são uns meros revolucionários de meia tigela, este teve o azar de viver numa ditadura e não saber ficar calado, os de hoje tem mais sorte porque dizem todo o tipo de barbaridades e continuam vivos e a viver a conta do Zé povinho.

    ResponderEliminar
  9. Por falar em General já leram o que disse o sr Eanes? http://expresso.sapo.pt/opiniaoeblogues/estadito/2016-05-17-Abril-ofereceu-as-liberdades-mas-esqueceu-se-de-criar-cidadaos como se ele não fosse um dos responsáveis da situação.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Eanes é um fala barato. Está alinhado com o atual regime e o resto é conversa. Enquanto continuarem a pingar as reformas todos os meses, essa malta não vai fazer barulho.

      Eliminar
    2. Dos presidentes da república depois de 1974, o general Ramalho Eanes penso ser o menos oportunista. Segundo já li na internet, recusou várias benesses que lhe foram oferecidas e a que podia ter direito.

      Eliminar
    3. «Segundo já li na internet, recusou várias benesses que lhe foram oferecidas e a que podia ter direito.»

      Isso é verdade. Ele é o menos oportunista, aliás, eu nem acho que ele seja oportunista. Simplesmente não diz é nada que faça mossa e assiste em silêncio ao desmantelamento do País.

      Eliminar
  10. Não. Oportunista não será. É apenas um hipócrita que participa numa farsa letal para a nação que lhe deu berço.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...